domingo, 16 de setembro de 2012

A Queda...

Muitos são os analistas políticos e membros de diversas áreas políticas que gostariam de ver a queda deste governo, mas meus caros amigos gostaria de vos fazer uma pequena pergunta, todos nós devemos antes de nos manifestar-mos pensar como chegamos até aqui? Durante doze anos tivemos um estado gastador, um estado que segundo a oposição protegeu o estado social, protegeu tanto que gastou dinheiro a mais com todos os portugueses, criando a ideia de que não precisariam trabalhar, porque o estado lhes pagaria um ordenado para ficar em casa, o nosso estado não soube estar á altura do desenvolvimento económico, tanto que não soube que pagou aos agricultores, para não trabalharem, pagou aos empresários chorosas indemnizações para saírem de Portugal, os bancos facilitaram os créditos sem controlo a todos os cidadãos, e hoje a culpa é deste governo, governo este que tem lutado por tentar levantar o nosso País da banca rota em que se encontrava instalado.


Muitas são as classes partidárias, sindicatos, população que estão a pedir a queda deste governo, mas é necessário que todos nós pensemos e a solução?

Irão os portugueses votar num partido político, que deixou Portugal na banca rota, irão os portugueses entregar o poder a um dirigente político que esteve conotado com as políticas tomadas pela anterior direcção do partido socialista? É caso para todos nós também nos perguntar-mos é uma verdade que o nosso País está mal, mas também é verdade que o partido socialista já foi desafiado pelo nosso governo para apresentar soluções e eles ficaram calados, sabem porque? Porque não há outro caminho, o outro caminho desastroso que poderá existir é a “Banca Rota” que o Partido Socialista nos quer encaminhar para depois culpabilizar este governo pela forma desastrosa como encaminhou este País. Mas como seria Portugal se não se tivesse chamado o FMI a intervir em Portugal?

Seria um autêntico desastre nacional, não haveria emprego, não haveria empresas, não haveria dinheiro, a taxa de imigração duplicaria e Portugal não se levantaria tão cedo.

É bem verdade que os portugueses não se sentem confortáveis com a situação em que o País se encontra, mas como se sentirão os nossos governantes por não conseguirem arranjar uma outra solução que não seja esta? Não há nenhum Primeiro-Ministro ou político em Portugal que goste de governar impondo medidas anti-populares, mas o que é certo é que não há outras soluções á vista.

Meus caros leitores este comentário é feito com coração, muitas vezes chego a pensar que talvez seria melhor o nosso governo provocar a sua queda, para renascer de novo com uma outra força politica, ou seja, como o nome da manifestação foi "que se lixe a Troika", que essa mesma troika deveria fazer a vontade ao povo e pura e simplesmente saísse de Portugal, que o Euro-grupo, retivesse a 6ª tranche, pelo menos até ao natal. Ai queria ver o povo na rua, mas dessa vez a pedir que o governo sucessor que supostamente é o Partido Socialista que faliu o nosso País que lhes pagasse os vencimentos, caso dos Funcionários Públicos, médicos, enfermeiros e professores. O que iria suceder de imediato era este puro cenário os transportes parariam, por falta de dinheiro, etc..., e depois que viessem para a rua protestar, porque nos nossos hospitais, não haveria medicamentos para os doentes, as cantinas escolares estariam paradas, por falta de dinheiro, os reformados e pensionistas, sem as suas prestações, os desempregados, sem o seu subsidio, ETC, ETC. .Para mim neste momento, os portugueses precisavam que isso acontecesse, para se aperceberem, das reais condições actuais do País. Por vezes e necessário provar do veneno, para depois dar importância á cura.



E que dizem a isto...talvez queiram que aconteça !!!!!

 Da qui da net

1 comentário:

Obrigado